Existem poemas & poemas


EXISTEM POEMAS & POEMAS

Existem poemas & poemas.
Porque há quem ainda os mede
E na ponta de seu lápis, trena
Saudosa compõe o que lhe pede.

Existem poemas & poemas.
Aqueles que, mudos, tudo dizem.
Outros pensam cantar cantilenas,
Quando ruídos de meretrizes.

Pois poemas & poemas existem.
E sob tal continuo a escrever
Com o véu que me cobre a tradição.

E se dizes que nem todos bons são,
Digo como sê-los, como poder,
Se existem poemas & poemas?

POEMA DE UMA NOITE NO HOSPITAL MUNICIPAL

                            A Drummond

No meio dos rins tenho uma pedra
Tenho uma pedra no meio dos rins.

É uma dor que cai – não cai – me queda
No meio dos rins tenho uma pedra
Tenho uma pedra no meio dos rins.

Jocivan de Lima Pinheiro



Escrito por Jocivan de Lima Pinheiro às 20h22
[   ] [ envie esta mensagem ]




SE...

Se toda mulher me amasse...
Ah, se todas as mulheres do mundo me amassem!
As japonesas explodindo em meu peito
- Kamikazes
As americanas fragmentando-me em
Migalhas de amburgueres
As francesas cabeludas rendendo-se
Ao meu banho de concretismo
Se toda mulher me amasse além disso.

As búlgaras, as húngaras, as turcas do Turcomenistão
Que trouxessem budistas do Butão
Se me amassem.

Se me amassem as africanas canibais
                            Comeriam
Meu coração sob Tulús Omnés rituais.

As escocesas – oh, as escocesas
Beberia as escocesas com a vontade
Com que bebo a vida noturna
Que me acorda e desacorda.

As inglesas incubadas na educação
As cerradas do Afeganistão
As peruanas, as equatorianas
As russas de pedra que são.

Se as raras mulheres do Nepal me amassem
Se as chinesas me amassem
Se as tchecas, as suecas conhecessem
Meu coração de poeta

Se todas ao mesmo tempo
Como se desvirginam-se os mundos
Num mergulho profundo
Rompessem a casca da minha embriagues
De sábado – ai, que ainda seria escasso!
Se o espaço que deixaram aqui dentro
É maior que o infinito do espaço!

DA FÉ II

Deus não existe
Mas não desiste

RAQUEL

Amar é dividir uma goiaba
Não é como coisas simples
Destas que vêm declaradas
Eu amo
Tu amas
Ele ama
Ama nada!

Amar é dividir uma goiaba.

* * *
A grande poesia
Não nasce da alegria.
Nasce do desassossego;
Do inconformismo;
Do tédio.
Do quarto andar
deste prédio.

O BALET

Se me pedem cara ou coroa
Haverei sempre de preferir
O balet da moeda.

O URUBU

Para a mamãe urubu
Não há pássaro mais lindo
Que o fedorento papai urubu.

FEMINISMO DIALÉCTICO

- Em todo galinheiro
Haverá uma revolução
Antipatriarcal.

- Besteira!
Os galos nunca
Sentarão para
Chocar ovos.

DIALÉCTICO

é
v
i
d
a m o r t é !
              v
               i
               d
               a m o r t é ?
                             v
                              i
                              d
                              a m o r t é !
                                            v
                                             i
                                            d
                                            a ?

                              !                         ?

CANÇÃOZINHA DO OVO

1
O ovo estrelado
Não vem do espaço!

2
A casca do ovo
Não quebra tão fácil!

3
O ovo gorado
Não gosta do frio!

4
Um pinto vadio
É um ovo...

O POEMA DAS CORES

Que cor é o amarelinho?
E o papagaio verdinho?
E o olho claro do azul
Do par de olhos do ursinho?

Que cor terá o azul-claro?
Ou o cinza escurinho?
Qual será a cor do raro...
Raro mico douradinho?

Que cor é o preto... pretinho
Pintado no branco papel?
Que cor o vermelho-mel?
Ou o barro marronzinho?

Qual a corzinha da rosa?
Qual será a cor do espinho?
Com que cor bebem o vinho,
E o bege da mariposa?

Que cores terão as coisas?
As coisas terão que cor?
Que cor é o verde das ervas...
Das ervas roxas do amor?
Que cor eu digo da Fátima?
E a gramática do vovô?

Que cores terão as coisas?
As coisas terão que cor?
 Com que cor eu pinto a dúvida
Que me pinta o professor?

Jocivan de Lima Pinheiro



Escrito por Jocivan de Lima Pinheiro às 20h55
[   ] [ envie esta mensagem ]




POEMETO NA MISSA

Nos bancos longos envelhecidos
Os sussurros nem sempre concatenados
Rezam da vida como
Um triste auto-acalanto.

E apontam as mãos
Para a redoma de vidro:
Suporte daquela louça
Descascada nos cantos.

Eis a fé, a menor distância entre dois pontos:

O SEGREDO DO VENTO

E como nem os elementais vivem sem sexo
O vento levanta as saias das mulheres desprevenidas.

OS CÃES

Entre mim e a poesia, haverá sempre o conflito cão-cadela: relutamos grudados após o gozo – não nos amamos, mas nos queremos por necessidade.

POEMINHA

Queria eu ter sido
Mulher para fazer
Amor com o Vinícius
E no amanhecer virar
Uma elegia histérica
De satisfação.

DA GRANDEZA

Barco de papel
É o maior dos transatlânticos
Se desce o córrego

DA FÉ

I
Numa dessas conversas
De bar um amigo disse:

“Deus, meu caro, hoje,
nada mais é que um rótulo”!

II
No tônico que comprei
Para meu sobrinho
O slogan:
“Tudo posso Naquele
que me fortalece”!

SOME

Soma mais soma
É igual a duas somas.

Soma vezes soma
É igual a uma soma.

Soma dividido por soma
É igual a uma soma.

Soma menos soma
É igual a nada.

Nada é quando tudo some.

EU

Meu eu nunca existiu
Sou mais eu pra precisar de um eu
Nem que houvessem mil!

Não quero eus para serem meus
Basta-me um eu
Onde já se viu!

Um eu além do meu
Do meu que nunca me pariu!

O SEGREDO DAS ESTRELAS

De tanto o mar refletir as estrelas do céu
A luz se fez matéria
E no mar estrela do mar nasceu.

BLEFE

O pior de jogar com a morte
É que ela sempre vence.

Jocivan de Lima Pinheiro



Escrito por Jocivan de Lima Pinheiro às 20h52
[   ] [ envie esta mensagem ]


[ ver mensagens anteriores ]


 

Histórico
  21/05/2006 a 27/05/2006


Outros sites
  UOL - O melhor conteúdo
  BOL - E-mail grátis
Votação
  Dê uma nota para meu blog



O que é isto?